sexta-feira, 4 de julho de 2008

Escândalo ou marketing?

Ontem em mas uma viagem, descobri uma postagem que por incrível que pareça, também tive o prazer de ouvir na TV, na segunda em meio a muita chuva fui jantar na casa da minha mãe e estava passando na TV o programa super pop, que nem sabia da existência, passei uns 40 minutos lá, e os 40 minutos remoendo o mesmo assunto "Rose Leonel - fotos ítimas divulgadas na web, viram record de acesso", eu revirando os olhos estava revoltada com a moça, afinal se as fotos são record de acesso na web, por qual motivo ela tinha que ir na TV mostrar as fotos? nada me convence tão rápido, apesar de acreditar sim que o ex tenha feito isso, afinal casos assim não param de aparecer, porém ir na TV mostrar mas ainda, é imoral. acho que pelo fato dela ter perdido o emprego, vergonha na cara e tudo mais, a revolta maior dela deve ser porque a grana dos acessos não estão indo para sua conta, me desculpem mas é o que acredito. quanto maior o escândalo, mas gente aparece para ver. enfim... vejamos parte do processo da vida dela que começa em 2005:
Colunista social acusa ex de distribuir fotos íntimas na web; acusado nega Desde o começo do ano, a colunista social Rose Leonel, 36, vai ao menos uma vez por mês à Delegacia de Defesa da Mulher de Maringá (PR) para denunciar o ex-namorado. Ela o acusa de distribuir fotos íntimas do casal pela internet e de usar a imagem dela em fotomontagens eróticas. O ex-namorado é o empresário Eduardo Gonçalves da Silva, diretor do shopping Avenida Center, em Maringá. O advogado de Silva nega as acusações. "Ele não se reconhece em nenhuma das fotos", afirma. Leia mais abaixo. Segundo a colunista, o ex distribui novas séries de fotos e de montagens periodicamente, a milhares de e-mails e sites de pornografia. Nas fotos há telefones do celular e da casa de Rose. "Sei que errei por ter me entregado e sido ingênua. Mas o que ele faz é desumano, e o que mais dói não é a exposição, mas a traição do amor que senti." No e-mail ao qual a Folha Online teve acesso, as fotos retratam relações sexuais, mas a imagem do parceiro de Rose é preservada. Em parte das imagens, que incluem relações homossexuais, os envolvidos tiveram os rostos borrados, para impedir a identificação. O relacionamento entre Rose e o empresário durou três anos e meio. Em setembro de 2005, ela diz ter terminado o relacionamento. "Ele disse que, como ele tem dinheiro, ele acabaria facilmente comigo e me faria perder o emprego e minha vida. Fui ameaçada de morte." Como tinha a senha de acesso ao e-mail pessoal do ex-namorado, Rose passou a monitorar as mensagens. "Descobri toda a negociação dele com um técnico de informática." Nos textos, ainda segundo Rose, o empresário solicitava ao técnico um endereço para acomodar 400 fotografias. Os dois teriam acertado o preço --R$ 1.000-- e o prazo para entrega. Na época, a colunista registrou em cartório uma advertência à associação de lojistas do shopping sobre a possível exposição indevida de sua imagem. "Ele fugiu por dez dias da intimação e, nesse período, me ligou dizendo que eu poderia fazer o que quisesse, pois ele não tinha medo de nada."
Internet Não demorou para que Rose recebesse a primeira mensagem. Ela perdeu o emprego dias depois. Devido à divulgação dos telefones, os pais dela --que são idosos-- e seus dois filhos --de 12 e 9 anos-- passaram a receber telefonemas com ofertas para programas. "O assédio e as ligações, quando descobrem nossos números [de telefone], são terríveis. Me ligam de todo o país, de Portugal, dos EUA." Ela contratou dois advogados para processar o ex e o técnico em informática Edson Alexandre Moreno por injúria e perturbação, além de exigir reparação por danos morais. "Mas agora eu só tenho pena dele. Espero que ele possa procurar um tratamento psicológico, que pare de pensar em mim e de planejar o mal para mim e para a minha família."

viagem ao farejador da net

3 comentários:

Adrock Menezes disse...

Concordo com você, fiquei sem saber para onde me posicionar em relação à essa questão indígena.

Tive a oportunidade de baixar o documentário na íntegra (no site da ONG, tem essa opção), mas só aconselho assistir quem não se abala com facilidade. É muito triste mas, sem sombra de dúvida, um alerta para toda sociedade e governantes sobre esse infanticídio indígena.

Ao longo do tempo o homem branco sempre vem acabando com as etnias indígenas, não seria uma hipocrisia não intervir nessa questão?

Afinal, esse infanticídio só faz com que cada tribo diminua cada vez mas, já que além das crianças com problemas físicos, eles matam os gêmeos, trigêmos, casos de filhos fora do casamento, incesto e etc.

Gostei do seu comentário no meu blog, já estou levando o seu link pra lá!

Forte abraço e vida longa a nossa parceria.

Donizete disse...

Moro a 80 Km de Maringá cidade onde ocorreu o fato. Um relacionamento não pode terminar assim. O respeito continua por toda a vida. Infelizmente tem os prepotentes inescrupulosos que acham que o poder financeiro dá o direito a fazer o que quiser.

Thiago disse...

Nossa, pensei que este caso já era antigo, pq tinham me mandado as fotos à meses atrás, nem sabia que aquele programinha de baixo calão da Girafa Gimenez estava revirando este assunto....


Não dou 3 meses p esta ex colunista social virar "atriz", ou "modelo", e posar p alguma revista masculina.....